Seta para a esquerda Icone Seta para a direita Icone Seta para a direita Icone Carrinho de Compras Icone Fechar Icone Expandir Setas Icone Facebook Icone Instagram Icone Twitter Icone Youtube Icone Hamburger Icone Informação Icone Seta para baixo Icone Mail Icone Carrinho Icone Pessoa Icone Régua Icone Pesquisar Icone Camisa Icone Triangulo Icone Cesta Icone Assistir ao Video
Ganhe FRETE GRÁTIS* na compra dos 3 quadros! Ganhe FRETE GRÁTIS* na compra dos 3 quadros do Felipe Neto!

Nossa História

Olá, eu sou o Anderson Silveira e essa é A História da Posters Minimalistas.

Bom... A minha história com a Posters Minimalistas.

Afinal, nossas histórias caminham lado a lado e se alguma coisa tivesse sido diferente na minha trajetória até aqui, a Posters poderia nem existir hoje. 

Sabe? Aquela coisa meio "Efeito Borboleta".

 

Desde que eu me conheço por gente eu gosto de desenhar. Na escola, eu era aquele aluno a quem todos pediam desenhos. 

Como a arte sempre me atraiu e eu já tinha tendências autodidata, aos 12 anos comecei a tocar guitarra e aprender pintura digital. Também nessa fase, com o incentivo do meu pai, aprendi a criar sites.

Eram épocas diferentes e para você ter uma página na web, era necessário saber no mínimo HTML e improvisar gambiarras no Dreamweaver.

Durante esse período, um dos meus maiores hobbies era mexer com o RPG Maker.

Eu vivia em fóruns sobre o assunto. O meu objetivo era criar um RPG Online baseado em Naruto, que sem dúvidas alguma foi o anime/mangá que mudou a minha vida. Digo isso, porque como eu não encontrava ninguém para criar os gráficos do jogo, eu mesmo resolvi aprender e fazer. Comecei por um programa chamado Paint.

É... aquele Paint.

 

Depois que eu descobri que alterando cada pontinho de uma imagem era possível criar coisas magnificas, eu me vi mergulhado no mundo das Pixel Art.

Não muito tempo depois, comecei a vender minhas criações na internet. Meus principais compradores eram servidores privados de Ragnarok Online. E não só isso, comecei a vender sites para essa galera também.

Lá estava eu, no auge dos meus 13 anos ganhando uma graninha bem legal para a minha idade. 

Após eu concluir a oitava série, meu pai recebeu uma proposta de emprego, minha família precisou se mudar para São Paulo. Por causa das funções da mudança, acabei perdendo o início do ano letivo. Acabei tirando um semestre de "férias".

Acabei desenvolvendo muito o meu lado artístico e despertei um interesse por música. Alguns meses após começar a tocar guitarra, formei uma banda e mesmo com pouca experiência conseguimos coisas muito legais: começamos a compor músicas autorais, tocamos em diversos festivais e chegamos até a abrir um show do Raimundos.

Durante essa época, conheci muitas pessoas que foram e são muito importantes pra mim.  Em 2012, quando eu estava fazendo supletivo para terminar o terceiro ano eu intensifiquei meus trabalhos como freelancer principalmente como designer gráfico e de web.

Nessa mesma época, anunciaram a vinda do Paul McCartney para Florianópolis. Era uma oportunidade única de ver um Beatles tocando em solo manézinho e eu definitivamente não queria perder a chance.

Madruguei para comprar o ingresso e fui pra fila do show nas primeiras horas da manhã. Foi incrível. Uma experiência única que eu vou guardar para sempre, assim como o meu boletim do terceiro ano. Quando fui reprovado.

Aconteceu que pra ir no show eu tive que faltar uma prova final de matemática. Reprovei por 2 pontos.

Eu não me arrependo, na verdade, eu repetiria isso quantas vezes fossem possíveis. Inclusive, quero. #VOLTAPAUL

Sobre a escola: eu não me enxergava fazendo faculdade. Eu sempre funcionei melhor aprendendo sozinho, do meu jeito e no meu tempo.

Sendo assim e contando com o apoio dos meus pais (importante!), resolvi abandonar a escola para me dedicar ao trabalho e a música.

No final daquele ano eu comecei a namorar e a Posters Minimalistas não teria existido se eu não tivesse conhecido aquela garota.




A Idéia

 

Foi num sábado à tarde. Estávamos eu e a minha namorada jogando Skyrim. Estávamos viciados nesse jogo. Mas depois de uma sessão bem fracassada onde eu havia perdido várias vezes para o mesmo dragão, eu resolvi parar de jogar e comecei a navegar na internet.

Acabei caindo em um site americano onde artistas vendiam artes. Nesse site, eu me apaixonei por um poster de Star Wars. Um poster minimalista de Tatooine, o planeta natal de Anakin e Luke Skywalker.

Pensei “Nossa, eu realmente gostaria muito de ter isso na minha parede!”. Mas aconteceu que eu não havia cartão de crédito e tampouco o site enviava para o Brasil. Teria sido muito triste se eu não soubesse ilustrar.

De forma praticamente instintiva eu abri o Photoshop e criei um Poster parecido com aquele que eu tinha visto. A partir daí, eu estava me divertindo tanto, que comecei a criar outros Posters com idéias que surgiram na hora.

Minha namorada me questionou: “Já pensasse em vender esses Posters?”. A minha primeira reação foi “Ué, quem compraria?”, ela retrucou: “Você compraria, não?”. Fui obrigado a concordar...

 ...e começar a vender posters.

Naquela época, a minha namorada e a irmã dela vendiam bottons em eventos de cultura pop e elas sugeriram que eu participasse de um desses eventos para ver qual seria a resposta do público ao meu trabalho.

O próximo evento seria dentro de 2 semanas, em Blumenau (155 km de Florianópolis). Juntei minhas economias (que não eram muitas), criei cerca de 20 artes, imprimi os Posters em tamanho A3, fiz um catálogo no tamanho A4 e lá fomos nós.

 Fui não só com um, mas com os dois pés atrás. Eu não sabia nem se iria vender um poster sequer. Porém com menos de 20 minutos de evento, apareceu um menino e comprou 3 posteres.

Ao final do primeiro dia eu já havia vendido praticamente todos os posters. Só não vendi mais, porque não tinha como imprimir as artes em Blumenau. Eu não tinha levado os arquivos em um pendrive ou feito upload na nuvem.

No segundo dia, passei o evento inteiro me desculpando com as pessoas interessadas e acabei vendendo até as artes do catálogo A4. De tanto que insistiam.

Quando voltei para Florianópolis, percebi que tive que usar praticamente todo o dinheiro faturado no evento para pagar as despesas da viagem. Ou seja, ficou empatado. Elas por elas. Por outro lado, uma coisa muito importante havia ficado: a idéia de vender Posters Minimalistas. Ela foi validada.

 Poucos dias depois tivemos outro evento, dessa vez em Tubarão, há 137 km de Florianópolis. Para esse evento eu fui com muita expectativa. Expectativa essa que foi frustrada. O público era completamente diferente e eu não vendi praticamente nada.

Se já não bastasse o prejuízo, quando voltamos para Florianópolis, a minha namorada terminou comigo.

Minha última tentativa de vender posters em evento aconteceu em um evento na Lagoa da Conceição, em Florianópolis. Eu vendi literalmente 2 Posters em 2 dias de evento.

 Com todo esse desânimo, a melhor parte da minha vida estava sendo a música. Me juntei com alguns amigos e formamos uma banda chamada Cambridge. Tocávamos apenas Rock Britânico (The Beatles, Oasis, Radiohead, Coldplay, The Cure, etc) e pela frente eu tinha um grande desafio: ser vocalista. Algo que eu nunca tinha feito antes.

 Marcamos o nosso primeiro show no mesmo evento em que eu havia exposto os Posters pela última vez. No show, vi uma menina e fiquei encantado por ela. Não tive coragem de puxar assunto, mas para a minha surpresa ela me encontrou nas redes sociais no dia após o evento.

Marcamos de tomar um café e algumas semanas depois já estávamos namorando. 3 meses se passaram e decidimos morar juntos (sim!). Mas pra isso eu precisaria de um emprego fixo, já que ser freelancer não me garantia estabilidade.

 Agora, lembra quando eu falei da minha primeira banda e de como eu tinha conhecido muita gente? Foi por causa de um músico que conheci naquela época, que consegui um emprego.

 O trabalho era cuidar do E-commerce de uma loja de viagens e aventuras. Atender clientes, embalar pedidos, publicar em redes sociais e tudo mais o que surgisse. Eu topei o desafio. Mesmo não sabendo exatamente onde eu estava me enfiando.

Me apaixonei pela loja, pelo ambiente, pelo conceito e o melhor: era pertinho de onde queríamos morar.

 

Com a vida estabilizada. Comecei a focar em como eu poderia melhorar o meu trabalho.

A plataforma que usávamos para a Loja Virtual já era obsoleta. Sugeri então, que a gente contratasse uma agência para desenvolver uma nova loja virtual.

Depois de algumas reuniões, decidimos optar pela agência que mais me daria liberdade criativa. Desenhei o layout, refiz a marca e comecei a estudar assuntos que me ajudariam a melhorar a qualidade do trabalho, como por exemplo: fotografia, vídeo e marketing.

O processo de desenvolvimento durou cerca de 3 meses. Além disso, a empresa investiu em mim também, me pagando um curso de Gerente de E-commerce.

Com todas essas melhorias, o resultado não poderia ter sido outro. Lançamos o site e as vendas aumentaram muito.

 

A experiência que eu tinha adquirindo expandiu os meus horizontes. Comecei a pensar que: “Se essas pessoas que eu vi no curso conseguiram chegar em algum lugar, eu também consigo”.

Então, em paralelo ao meu trabalho, comecei a trabalhar em uma idéia que estava engavetada há algum tempo: a Posters Minimalistas.




A Primeira Loja Virtual

Em 2013, eu já tinha uma página no Facebook chamada “Posters Minimalistas”, lá eu postava as minhas criações apenas por diversão. A idéia foi crescendo e surgiu uma pessoa interessada em tirar a Posters do papel. Queríamos abrir um e-commerce para vender artes para todo o Brasil.

Ele me apresentou uma plataforma pronta chamada Big Cartel. O layout era bonito, mas a única forma de pagamento disponível para o Brasil era o PayPal, que até então, só aceitava pagamentos através de cartão de crédito ou transferência de saldo. Nada de Boleto, por exemplo.

Essa primeira versão da Posters, ainda recém-nascida, tinha o meu apartamento como sede. Nós trabalhávamos nas horas vagas, pois tínhamos nossos empregos e projetos paralelos. A logística era bem amadora, não tinhamos estoque de moldura ou de embalagens. Muito menos uma linha de produção. Era o que dava, quando dava.

Nessa primeira versão do produto, o Poster era vendido com ou sem moldura. Moldura essa que eu comprava numa loja de departamentos. Ela acompanhava apenas o ganchinho para parafusar na parede e o vidro que quase sempre quebrava durante o transporte.

 

Vendemos pouco, apesar de termos conseguido uma visibilidade legal, ter uma forma de pagamento tão limitada dificultava o negócio. Começaram a aparecer também, reclamações de clientes que receberam seus produtos danificados por causa do mal empacotamento.

Tudo desandou. Ainda mais quando percebi que o meu “sócio” não estava tão engajado no projeto e começou a me ignorar.

 

Resolvi retirar o site do ar.

 

Voltei o meu foco para o meu trabalho principal e minha banda. Estávamos tocando praticamente toda semana em casas noturnas e pubs da Grande Florianópolis. Foi uma época muito divertida.

 

Mesmo apesar do segundo fracasso, eu resolvi continuar pesquisando outros modos de abrir um e-commerce sem ter muito trabalho. Foi quando encontrei a Loja Integrada, outra plataforma de e-commerce que você paga uma mensalidade para usar. O legal dessa foi que além de ter as formas de pagamento mais comuns no Brasil, ela também me permitia editar os códigos CSS do site.

Fiz tanta "gambiarra" que o site não parecia nem ser dessa plataforma.

Minha namorada me ajudou com o cadastramento dos produtos e em poucos dias eu já tinha conseguido colocar o site no ar novamente. Apareceu um novo interessado no projeto. Esse outro "sócio" me ajudou investindo em material. Mas acabou não durando muito, assim como o meu relacionamento, que por causa do meu alto comprometimento com o trabalho, acabou sendo abalado.

 

Resolvemos dar um tempo.

 

Mais uma vez, eu estava focado no meu trabalho principal e na minha banda. Passaram algumas semanas, reatei com a minha namorada e novamente, surgiu outra pessoa interessada na idéia da Posters. 

 

Esse novo “sócio” estava bem interessado no projeto e nós resolvemos trabalhar mais seriamente. Dessa vez nós iriamos trabalhar inclusive com uma plataforma mais complexa. A mesma que usamos na loja virtual em que eu trabalhava: O Magento.

Como eu havia participado de todas as etapas da construção do e-commerce na outra empresa, eu aprendi quais eram os caminhos para desenvolver na plataforma. Contratamos hospedagem, compramos um tema e eu mesmo fiz todas as edições de frontend necessárias. Parecia que dessa vez o negócio ia pra frente. E de fato, foi. O problema é que novamente o meu relacionamento foi abalado e decidimos nos separar de vez.

Coloquei na minha mochila algumas mudas de roupa, meus produtos de higiene e meu macbook. Fui pra casa do meu “sócio”, que por acaso, também morava com a namorada. Fiquei lá por poucos dias. A namorada dele não se sentia confortável com a minha presença e vivia reclamando que ficávamos trabalhando a noite inteira. Foi então que recebi uma mensagem falando que a a minha ex-namorada havia deixado o apartamento.

Quando cheguei lá, ele estava praticamente vazio, já que a maioria dos móveis e eletrodomésticos eram dela. Literalmente, tudo o que eu tinha era: uma mesa de jantar, duas cadeiras, um rack, um guarda-roupa e uma escrivaninha. Todo o resto que você pode imaginar que deveria ter em uma casa, não tinha. Exatamente. Não tinha geladeira, fogão, pia ou até mesmo uma cama.

Tive que improvisar. Liguei pro meu avô e peguei emprestado um isopor que ele usava para armazenar peixes durante as pescarias. Fiz miojo usando uma cafeteira. Comi usando talheres de plástico que eu peguei no posto de gasolina e dormi em cima de 3 cobertores.

Num belo dia, meu pai foi me visitar e viu a situação em que eu me encontrava. Eu não queria incomodar eles, por isso não tinha falado nada. Mas bem, depois disso eu ganhei um colchão, uma pia, louças, talheres e com a ajuda da minha vó, também ganhei uma geladeira, um fogão e um micro-ondas.

Agora na vida de solteiro, eu comecei a sair mais e acabei reencontrando um amigo da adolescência que por coincidência trabalhava perto de onde eu trabalhava.

Começamos a nos encontrar mais vezes. Numa dessas conversas, ele me contou que queria abrir uma loja de camisetas. Contei a minha idéia de abrir a Posters Minimalistas e ele ficou empolgado.

Finalmente, a Posters Minimalistas iria acontecer.



O Lançamento

Começamos a nos reunir praticamente todo dia depois do expediente para resolver as questões da empresa, conversar e produzir. Formalizamos o negócio. Abrimos um CNPJ, definimos os fornecedores, fizemos parcerias, repensamos a marca, criamos mais posters, finalizamos o site e arrumamos as redes sociais.

Só tinha um detalhe importante: Eu queria que os posters fossem enviados com o Fecho Fixador Command 3M.

 

O Fecho Fixador 3M é um acessório que você usa  para fixar um quadro na parede sem ter que furá-la. Melhor ainda, sem estragá-la ao remover.

Enviei e-mails para a 3M, liguei, mas não consegui a parceria com eles. Comecei a ficar preocupado, porque a minha intenção era entregar um produto que além de bonito e bem feito, também fosse prático.

Certo dia, meu sócio apareceu com um rolo de velcro adesivo. Aquele mesmo usado em bermudas de surf.

Parecia uma idéia ruim e de certa forma era. Mas ela atendia a nossa necessidade.

A primeira versão do Poster estava pronta. Gravamos inclusive um comercial mostrando como funcionava o produto.

 

O lançamento da empresa estava se aproximando e junto disso, uma decisão importante: Largar o meu emprego ou tentar conciliar os dois trabalhos?

A idéia não saia da minha cabeça. Eu estava infeliz com o meu trabalho. Eu estava ganhando pouco, fazendo muito e me sentindo limitado.

 Eu sentia que a Posters Minimalistas ia dar certo. Mesmo apesar de algumas pessoas dizerem o contrário. Mas sabe, nenhuma dessas pessoas enxergava o negócio da mesma maneira que eu.

 

Tomei a minha decisão. Fiz um acordo com a empresa em que eu trabalhava e no dia 31 de Dezembro de 2014 às 17h eu saí daquela loja pela última vez como funcionário e fui em direção à um mundo completamente novo.

O mais engraçado é que eu havia passado aquela semana com apenas 5 reais. Literalmente, eu tive que ir ao mercado e escolher o miojo mais barato para me alimentar por alguns dias até a minha rescisão cair na conta. Mal sabia eu que ela já havia sido depositada.

 

Era meia-noite e um, do dia 1 de Janeiro de 2015.

Estavamos na beira da praia vendo os fogos de artifício e dali mesmo lançamos a Posters Minimalistas.

 

O site estava no ar.

Mas a primeira venda demorou 4 dias para acontecer.

 

Os dois primeiros meses foram bem fracos. O que faturamos mal dava pra pagar as contas do apartamento onde estava morando eu, meu sócio e um amigo dele que nos ajudava às vezes.

Ficamos nessa por algumas semanas até que um dia eu cheguei em casa e todas as coisas deles haviam sumido. Meu sócio abandonou a empresa e eu me vi sozinho.

 

De novo.

 

Mas sabe, quando as coisas pareciam que iam piorar, eu arrisquei mais uma vez. Investi quase tudo o que eu tinha de dinheiro em um módulo de checkout.

As vendas aumentaram 300%. 

Março já foi um mês mais confortável. O problema é que eu estava fazendo tudo sozinho. Da criação e marketing ao atendimento e embalagem dos pedidos.

Como eu já não estava mais dando conta e minha jornada de trabalho era exaustiva. Minha mãe começou a me ajudar. E acontece que ela era exatamente o que faltava para a empresa: uma pessoa organizada que cuidava com carinho de cada pedido.

Logo nos primeiros dias ela já havia diminuído o tempo de produção de cada pedido de 25 minutos para 10 minutos, e de quebra, melhorando a qualidade e a embalagem.

Começamos a receber e-mails dos clientes elogiando.

 

Abril foi um mês extraordinário. As vendas triplicaram novamente. Vendemos tanto que precisamos contratar a nossa primeira funcionária.

Em Maio, com dinheiro sobrando, eu fui pra Europa, e fiz uma viagem por 7 países. Foi a realização de um grande sonho. Desde novinho eu sonhava em viajar pra fora do país. E considerando a situação em que eu me encontrava em Dezembro de 2014, podemos dizer que a minha vida mudou muito rapidamente.

Eu sabia que não poderia abandonar a empresa durante o tempo em que eu estivesse viajando. Por isso, levei meu macbook e de lá consegui realizar as minhas rotinas.

 

 

 

Enquanto eu estava lá, eu finalmente recebi um retorno da 3M, a empresa que eu queria ser parceiro desde o dia em que eu abri a Posters. Agendamos uma reunião com um representante para a semana do meu retorno ao Brasil e concretizamos a parceria.

 

Tudo certo! Agora todos os Posters Minimalistas seriam enviados com o Fecho Fixador Command 3M.

 

Além disso, começamos a produzir um modelo diferente de moldura. Ao invés de ser uma moldura de madeira maciça com gesso e pintura laqueada, a nossa moldura agora era de madeira maciça com uma película importada da Itália. Mais resistente, mais bonita e muito mais leve.

 

Em Novembro de 2015, eu fiz a maior loucura da minha vida. Coloquei o site no Black Friday com 40% de Desconto e Frete Grátis para todo o Brasil. Vendemos em 1 dia o equivalente a um mês inteiro.

Não estávamos preparados para tanta demanda, nem nossos fornecedores. Atrasamos tantas encomendas que para não perder os clientes começamos a enviar os pedidos por Sedex e ou dar brindes. Tivemos um prejuízo absurdo pois nosso markup não era muito grande.

 

A empresa era um sucesso, mas estava endividada.

 

Nos meses que seguiram, começamos a experienciar lados muito ruins de ter um negócio, a desorganização no setor financeiro, principalmente pela falta de um. Problemas com funcionários, o alto nível de estresse e ansiedade.

 

No meio desse caos, comecei a ser chamado para dar palestras, o que foi excelente, porque foi onde eu parei para olhar toda a nossa história e percebi o quanto a Posters é especial.

O que realmente importava não era o dinheiro, não eram os números de vendas ou a quantidade seguidores, mas sim, por mais clichê que possa soar: trabalhar com o que a gente ama e criar um impacto positivo na vida das pessoas.

Eu olhei pra trás e lembrei de como no começo, tudo o que eu queria era só ter um Poster na minha parede, porque aquilo dizia muito sobre quem eu era.

Eu lembrei dos momentos em que eu quase passei necessidade, mas não me importei, porque eu acreditava que estava fazendo o que eu realmente queria pra minha vida. Olhei para todo mundo que se dedicou junto comigo, que abraçaram a idéia e o sonho.

 

No fim das contas, nós trabalhamos porque dinheiro é preciso. É preciso para pagar os boletos e ter uma boa qualidade de vida. Mas viver apenas em função disso não faz sentido.

Nós estamos aqui porque gostamos de criar. Gostamos de criar posters, gostamos de produzir conteúdo e estar próximos de pessoas que se sentem do mesmo jeito que a gente.



Obrigado a todos que fizeram e fazem parte dessa história,

 

Andy

 

 

P.s.: Pagamos as dividas. rs